Varizes, Trombose e Doenças venosas | Meias Express

Doenças Venosas - Diagnósticos e Tratamento


As Doenças Venosas agudas e crônicas estão entre as doenças mais comuns que afetam a população. Devido à natureza interdisciplinar destas condições, os pacientes são tratados por várias disciplinas especialistas. Estas incluem principalmente flebologia, angiologia, dermatologia, cirurgia, medicina interna, medicina geral.



Em países industrializados, mais de 30% das mulheres e cerca de 10% dos homens consultam o médico por sinais e sintomas venosos nas pernas. Importantes fatores como hereditariedade, excesso de peso, e algumas profissões que exigem longos períodos em pé ou sentado podem aumentar o risco de desenvolver uma doença venosa crônica. Estas condições podem evoluir e produzir complicações como a pigmentação da pele, edema crônico, dermatites, eczema, flebite e ulcerações nas pernas, em última instância. Os sintomas mais comuns são sensação de peso e cansaço nas pernas, em especial após longos dias de trabalho, e muitas vezes associados com inchaço nas pernas. veja mais.



Uma trombose venosa profunda (TVP) é um coágulo sanguíneo que costuma se formar nas veias profundas da parte inferior da perna ou do braço e que pode bloquear o retorno venoso. Uma TVP pode causar dor ou inchaço nas pernas, mas também pode não apresentar sintomas. A TVP não costuma ser fatal, mas pode ser caso um coágulo se solte e embolize para os pulmões. Isto recebe o nome de embolia pulmonar (EP). veja mais.veja mais.



O linfedema pode se manifestar como um inchaço de um ou mais membros e pode incluir o quadrante correspondente do tronco. O inchaço também pode afetar outras áreas, como por exemplo, cabeça, pescoço, peito ou genitália. O linfedema é o resultado do acúmulo de fluidos e outros elementos (p.ex.: proteínas) nos espaços intersticiais devido a um desequilíbrio entre sua produção e transporte. Ele se origina de má-formação congênita do sistema linfático ou de dano aos vasos linfáticos e/ou linfonodos. O linfedema é uma moléstia crônica não curável no presente, mas que pode ser aliviada com uma gestão adequada; se não for tratada, pode evoluir e se tornar difícil de controlar. Veja mais.


Segundo um artigo publicado na Revista Americana de Cirurgia, as úlceras venosas nas pernas são responsáveis por 85% de todas as úlceras dos membros inferiores, com custo de tratamento de US$ 3 bilhões e mais de 2 milhões de dias úteis por ano.¹ Uma úlcera venosa da perna é um dos resultados mais graves da progressão da insuficiência venosa crônica. Esta ferida aberta geralmente dolorosa afeta a qualidade de vida dos pacientes e apresenta um processo de cicatrização demorado. Os pacientes com úlcera interagem diretamente com um enfermeiro especializado ou um médico na gestão do ferimento. A compressão tem um papel importante na cicatrização do ferimento e certamente nos cuidados após a cicatrização. Uma vez que a ferida estiver cicatrizada, devem-se usar meias de compressão graduada pelo resto da vida. Veja mais.


Pessoas com diabetes costumam ter problemas circulatórios que podem causar edema periférico (inchaço) nos pés, tornozelos e pernas. São várias as causas de edema periférico, não necessariamente relacionadas com diabetes, tais como permanecer em pé ou sentado por muito tempo, inatividade física, insuficiência venosa crônica, linfedema, hereditariedade, gravidez, cirurgia, trauma e algumas doenças. O edema periférico também pode ser associado com complicações do diabetes tais como doenças cardíacas, insuficiência venosa e moléstia renal. Certos medicamentos contra diabetes também podem causar edema. Uma nova pesquisa mostra que para muitos pacientes diabéticos que sofrem de edema, as meias de compressão podem ajudar a manter as pernas e os pés saudáveis, além de permitir que o paciente tenha um estilo de vida mais ativo. Veja mais.